Notícias

Livros no Aljube – «A PIDE e os seus Informadores. O caso de Inácio»

19 de Novembro de 2019

Livros no Aljube, «A PIDE e os seus Informadores O caso de Inácio», de Paulo Marques da Silva

"Inácio" é a figura central do livro de Paulo Marques da Silva. "Inácio" era inspetor dos Caminhos de Ferro. Durante três décadas prestou centenas de informações à polícia política onde contava (por verdades ou semi-verdades) tudo que se passava de «anormal» na Universidade, nos Clubes, nos cafés (ou em todos os locais…) da região de Coimbra. Relatava acontecimentos, tecia considerações sobre todos os que discordavam da situação, dava orientações às forças da ordem de como agir. Ontem, na sessão de apresentação do livro no Museu do Aljube Resistência e Liberdade a dúvida colocou-se: teria sido possível a este homem prestar tantas informações sem a existência de uma rede de cumplicidades que aceitou colaborar com ele ou até aceitá-lo sem denúncia? Na apresentação de «A PIDE e os seus Informadores No caso de Inácio», editado pela Palimage / Terra Ocre edições, Luís Reis Torgal deu conta dos vários relatos feitos pelo informador, como este que partilhamos, sobre o padre Idalino Simões, um "auxiliar perigoso (…) eclesiástico péssimo", nas palavras de «Inácio». Ninguém escapava, nem mesmo os cidadãos acima de qualquer suspeita.#livrosnoaljube

Publiée par Museu do Aljube Resistência e Liberdade sur Mercredi 20 novembre 2019

“Inácio” é a figura central do livro de Paulo Marques da Silva. “Inácio” era inspetor dos Caminhos de Ferro. Durante três décadas prestou centenas de informações à polícia política onde contava (por verdades ou semi-verdades) tudo que se passava de «anormal» na Universidade, nos Clubes, nos cafés (ou em todos os locais…) da região de Coimbra. Relatava acontecimentos, tecia considerações sobre todos os que discordavam da situação, dava orientações às forças da ordem de como agir. Na sessão de apresentação do livro a dúvida colocou-se: teria sido possível a este homem prestar tantas informações sem a existência de uma rede de cumplicidades que aceitou colaborar com ele ou até aceitá-lo sem denúncia?

Na apresentação de «A PIDE e os seus Informadores. O caso de Inácio», editado pela Palimage / Terra Ocre edições, Luís Reis Torgal deu conta dos vários relatos feitos pelo informador, como este que partilhamos, sobre o padre Idalino Simões, um “auxiliar perigoso (…) eclesiástico péssimo”, nas palavras de «Inácio». Ninguém escapava, nem mesmo os cidadãos acima de qualquer suspeita.