Centro de Documentação

Biografias

Alfredo da Assunção Diniz

Alfredo da Assunção Diniz_english_version

Alfredo da Assunção Diniz

(Lisboa, 29-03-1917 – Bucelas, 04-07-1945)

Alfredo Diniz nasceu em Lisboa e na infância vendeu com o pai flores e papel na rua. Operário metalúrgico, ingressou, ainda adolescente, nos Estaleiros Navais da Parry & Son, onde, depois de terminar o curso noturno de desenhador, desempenhou funções de traçador naval. Em 1936, com 19 anos, estava já envolvido nas lutas laborais e aderiu à Federação das Juventudes Comunistas, tendo-se tornado membro do Partido Comunista Português (PCP) e assumido tarefas no Socorro Vermelho Internacional. Em agosto de 1938 foi preso pela polícia por “atividade revolucionária” e condenado a dezoito meses de prisão, cumpridos nas prisões de Caxias e de Peniche. Após a sua libertação, esteve na reorganização do PCP em 1940-1941 e foi responsável pela célula da Parry & Son e pelo Comité Local do partido, em Almada.

Participou ativamente nas greves, manifestações e marchas da fome da primeira metade da década de 40. Foi no decorrer de muitas destas lutas que se distinguiu pela sua capacidade de organização e dinamização. Foi um dos impulsionadores do movimento grevista de outubro e novembro na região de Lisboa em 1942. Já como membro do Comité Regional de Lisboa, voltou a ter papel muito ativo nas greves de julho e agosto de 1943 na região de Lisboa, margem sul do Tejo e Ribatejo, na sequência das quais passou à clandestinidade, onde usou o pseudónimo “Alex”.

Ainda em 1943 foi eleito para o Comité Central do PCP, passando a fazer parte do Bureau Político. Fez parte do Comité Organizador das greves de 8 e 9 de maio de 1944 que incidiram particularmente no corredor industrial da margem norte do Tejo e Ribatejo. Em 1945, pouco antes de ser morto, foi eleito para a Comissão Política e estaria envolvido na organização das manifestações de celebração do fim da II Guerra Mundial.

Viria a ser assassinado pela Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE) com apenas 28 anos, numa estrada em Bucelas, quando se dirigia de bicicleta para um encontro clandestino. A bicicleta em que seguia terá sido abalroada por uma carrinha e, já no chão, Alfredo Diniz foi alvejado a tiro, sendo depois novamente baleado no interior da referida carrinha e, já morto, deixado na beira da estrada.

Centro de Documentação do Museu do Aljube
Rua Augusto Rosa, 42 • 1100-059 Lisboa

Telefone: 215 818 538
Geral: 215 818 535
E-mail: odeteviola@egeac.pt

Horário: de terça a sexta, das 10h00 às 18h00 – encerra para almoço das 13h00 às 14h00.

Encerra às segundas.