Centro de Documentação

Biografias

António Carlos de Carvalho Ferreira Soares

António Carlos de Carvalho Ferreira Soares

(Viana do Castelo, 5-02-1903 – Nogueira da Regedoura, 4-07-1942)

António Carlos de Carvalho Ferreira Soares, filho do escritor e juiz António Ferreira Soares e de Inês Ferreira Soares, nasceu em fevereiro de 1903 em Monserrate, Viana do Castelo.

Formado em Medicina, Ferreira Soares é um intelectual seareiro que faz a passagem do racionalismo para o marxismo e o comunismo. Adere ao Partido Comunista Português (PCP) ainda na década de 30, integrando o Comité Regional do Douro e a Frente Popular Portuguesa.

No início dos anos 40, foragido, trabalhou na reconstrução do PCP e do Socorro Vermelho Internacional no Porto, o que lhe valeu a perseguição pela Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE). Escapando sucessivamente às malhas da polícia política, será julgado à revelia, já claramente identificado como Secretário do Comité Regional do Douro do PCP, e condenado a quatro anos de prisão correcional e perda dos direitos políticos por cinco anos. Forçado à semiclandestinidade, escondeu-se em casa da irmã em Nogueira da Regedoura, Santa Maria da Feira. Aí dinamiza a vida cultural e associativa local e dá consultas médicas gratuitamente, valendo-lhe a estima, admiração e apoio da população local.

A partir de uma série de prisões em abril 1942 de elementos do PCP, alegadamente, envolvidos no assassinato de um industrial no Norte, a PVDE conseguiu novas informações sobre a organização do partido na região do Porto e sobre o paradeiro de Ferreira Soares que é assassinado no dia 4 de julho de 1942 por elementos daquela polícia. Tinha 37 anos.

As várias versões do episódio e dos agentes da PVDE que dispararam mortalmente sobre a vítima são contraditórias. Em comum têm o facto de ter-se tratado de uma cilada. Alguém (um agente da PVDE ou uma mulher, consoante as versões) ter-se-á feito passar por doente, requerendo assistência médica, e chegado ao consultório de Ferreira Sores. Aí, um elemento da PVDE disparou sobre o médico, pairando a dúvida sobre a intencionalidade do homicídio, embora a família sustente ter-se tratado de uma morte premeditada e executada a sangue frio e não o resultado de uma luta corpo-a-corpo ou tentativa de detenção.

Depois, ainda com vida, no caminho para uma casa de saúde em Espinho, terá sido novamente alvejado com tiros de pistola metralhadora, catorze no total.

Os agentes da PVDE envolvidos no caso, Leonel Laranjeira, António Roquete e José Coimbra, foram absolvidos em Tribunal Militar, embora tudo indique que mais elementos da PVDE tenham estado envolvidos.

A morte deste antifascista, considerado pelo elemento da Legião Portuguesa Silva Leal como o “indivíduo mais perigoso do Norte”, foi recordada em vários trabalhos, nomeadamente de José Dias Coelho, Pedro Ramos de Almeida e no romance A Casa Abatida Quadros da Vida Aldeã, do seu pai, António Ferreira Soares.

Ao funeral do “Doutor Prata”, como era conhecido, acorreram milhares de pessoas não obstante a intimidação policial.

Centro de Documentação do Museu do Aljube
Rua Augusto Rosa, 42 • 1100-059 Lisboa

Telefone: 215 818 538
Geral: 215 818 535
E-mail: odeteviola@egeac.pt

Horário: de terça a sexta, das 11h00 às 17h00 – encerra para almoço das 13h00 às 14h00.

Encerra às segundas.