Centro de Documentação

Biografias

Fernando Alcobia

Fernando Alcobia_english_version

Fernando Alcobia

(Lisboa, 15-02-1914 – Tarrafal, Ilha de Santiago, Cabo Verde, 19-12-1939)

Fernando Alcobia, filho de Júlia Alcobia e de pai incógnito, nasceu em Lisboa, onde residia e trabalhava como vendedor de jornais. Militante da Federação das Juventudes Comunistas Portuguesas e do Partido Comunista Português (PCP), tinha a seu cargo a Agitação e Propaganda.

Na preparação da semana de luta contra a fome, a guerra e o fascismo, que deveria ter decorrido entre 25 de fevereiro e 2 de março de 1935, afixou propaganda política por Alfama. No dia 10 de junho de 1935, aquando do Cortejo do Trabalho Nacional, integrou o grupo que na Serra de Monsanto tentou largar, sem sucesso, balões vermelhos com a foice e o martelo. Dias depois, ao participar na distribuição de manifestos em Lisboa, escapou à prisão, na sequência da intervenção de José Machado Pinto que disparara contra um agente da polícia. Procurado, Alcobia refugiou-se em Espanha, onde foi preso pela Guarda Civil, por estar indocumentado, e entregue à Guarda Fiscal de Elvas. A 3 de dezembro de 1935 foi entregue à Secção Política e Social da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE) e seguiu para a Prisão de Peniche a 27 desse mês. Ao longo do ano de 1936 passou por várias esquadras e, por diversas vezes, pelas prisões de Peniche e do Aljube. Em agosto de 1936 foi acusado de tentativa de fuga da Prisão do Aljube através da abertura de um buraco na parede de uma casa de banho.

Em outubro foi transferido para o Campo de Concertação do Tarrafal, em Cabo Verde, integrando a primeira leva de presos políticos. No Tarrafal, os maus-tratos e as passagens pela “frigideira”, tendo a última durado vinte dias, foram deteriorando o seu estado de saúde. Debilitado por um abcesso no ouvido foi obrigado a trabalhar na chamada “Brigada Brava”, uma forma de trabalhos forçados para presos doentes. Sem qualquer tratamento médico, adoeceu com uma biliosa a 15 de dezembro de 1939, morrendo dias depois. Tinha 25 anos.

Centro de Documentação do Museu do Aljube
Rua Augusto Rosa, 42 • 1100-059 Lisboa

Telefone: 215 818 538
Geral: 215 818 535
E-mail: odeteviola@egeac.pt

Horário: de terça a sexta, das 10h00 às 18h00 – encerra para almoço das 13h00 às 14h00.

Encerra às segundas.