"A mão de Timba", escultura à entrada do Porto de Bissau, com sobreviventes do massacre © Alfredo Cunha

Massacre de Pidjiguiti

03 Agosto 2021

#nestedia 3 de agosto de 1959, os marinheiros e estivadores do porto de Pinjiguiti em Bissau, ao serviço da então poderosa Casa Gouveia, revoltaram-se e exigiram melhores condições de trabalho e um aumento do salário. Em resposta foram violentamente reprimidos pelas autoridades coloniais portuguesas, registando-se cerca de 50 mortos e uma centena de feridos.
Este massacre foi um ponto crucial para a organização de resistência ao poder colonial, formava-se assim o PAIGC — Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde. Viria a acontecer uma luta armada em 1963, que resultou na conquista da independência da Guiné-Bissau em 1973 e Cabo-Verde em 1975.

Em homenagem às vítimas desse massacre, foi construída uma escultura (uma mão fechada) no porto de Pinjiguiti, denominada “Mão de Timba”, que significa mão de caloteiro ou pessoa que contrai dívidas e não tenciona pagá-las.

Atualidade

Operação Vagô
#nestedia relembra pessoas e acontecimentos de resistência à ditadura e de luta pela liberdade.
10 de Novembro de 2021
Álvaro Cunhal
#nestedia relembra pessoas e acontecimentos de resistência à ditadura e de luta pela liberdade.
10 de Novembro de 2021
As Brigadas Revolucionárias realizaram a sua primeira ação armada
#nestedia relembra pessoas e acontecimentos de resistência à ditadura e de luta pela liberdade.
7 de Novembro de 2021