Centro de Documentação

Biografias

Manuel Augusto da Costa

Manuel Augusto da Costa

(S. Martinho da Anta, Sabrosa, Vila Real, 21-05-1887 – Tarrafal, Ilha de Santiago, Cabo Verde, 03-06-1945)

Manuel Augusto da Costa nasceu em 1887 em Sabrosa, Trás-os-Montes, filho de Maria Costa e de pai incógnito. Conhecido como “Manuel da Horta” ou “Manuel da Amora”, residia na Amora, concelho do Seixal, e era servente de pedreiro na Fábrica da Pólvora, tendo também trabalhado como servente da indústria vidreira. Foi delegado do Sindicato dos Vidreiros da Amora ao Congresso Operário de 1919 e, em 1920, vai em missão à Marinha Grande.

Militante anarquista e libertário, participou na preparação do 18 de janeiro de 1934, em Almada, enchendo trezentas bombas para utilização durante a greve geral revolucionária. Devido à sua participação no 18 de janeiro é preso no dia 30 com uma arma e vinte balas, tendo sido ferido no ato da captura.

Foi condenado, em março de 1934, pelo Tribunal Militar Especial, a catorze anos de degredo nas colónias, com prisão, ficando à disposição do governo. Em setembro de 1934 foi deportado para a Fortaleza de Angra do Heroísmo, nos Açores, e a 23 de outubro de 1936 seguiu para o Campo de Concentração do Tarrafal em Cabo Verde, tendo feito parte do grupo de presos que inauguraram o campo, onde terá ainda feito parte da Organização Libertária Prisional do Tarrafal (OLPT).

Com 58 anos, sofrendo de diabetes e bastante fragilizado, viria a morrer a 3 de junho de 1945, poucos dias depois de ter cumprido 30 dias na “frigideira”, punição aplicada pelo teor de uma carta que teria escrito ao filho.

Centro de Documentação do Museu do Aljube
Rua Augusto Rosa, 42 • 1100-059 Lisboa

Telefone: 215 818 538
Geral: 215 818 535
E-mail: odeteviola@egeac.pt

Horário: de terça a sexta, das 10h00 às 18h00 – encerra para almoço das 13h00 às 14h00.

Encerra às segundas.