Programação

Colóquio JAIME CORTESÃO – Cidadão, Patriota, Resistente

26 de Outubro de 2019 - 10h00

Jaime Cortesão. Sanguínea de António Carneiro, 1911.

O Colóquio “Jaime Cortesão – Cidadão, Patriota, Resistente”, que acompanha a exposição com o mesmo nome, procura refletir sobre a dimensão política e de resistente de Jaime Cortesão em diálogo com a sua matriz cultural, forjada, sobretudo, na Seara Nova e no republicanismo radical.
Em articulação direta da teoria com a praxis, da cultura e do pensamento com a ação política, procurar-se-á revisitar o cidadão, patriota e resistente Jaime Cortesão desde a sua primeira atividade política, no ocaso da monarquia, ao patriota empenhado nos movimentos de regeneração da Pátria e de luta pela liberdade, como voluntário na I Guerra, ao intelectual seareiro pugnando pelo aperfeiçoamento do regime republicano e a elevação da Nação e, através da União Cívica, no combate contra a ditadura que assomava no horizonte.
Coexistindo em Cortesão a luta pela pena com a luta pelas armas, no advento da ditadura militar, ele encabeça, com outros, a resistência armada contra o novo regime, logo em fevereiro de 1927, e depois no exílio francês e espanhol, onde a atividade cultural e intelectual coexiste com a planificação de ações armadas e revolucionárias contra a ditadura. Representante português no II Congresso Internacional dos Escritores Antifascistas, denuncia a ditadura salazarista e opõe-se-lhe na sua dimensão de antifascista. Regressado ao país em 1940, é preso e enviado para o Aljube e para Peniche, e de seguida obrigado a expatriar-se para o Brasil, onde desenvolve uma atividade cultural fecunda e duradoura. Regressado ao país em 1956, não baixa os braços na luta contra o Ditador que, sendo Jaime Cortesão já septuagenário, não deixa de o enviar para uma quarta prisão, já muito perto da morte que o ceifou em 1960.



Inscrições obrigatórias e, mediante os lugares existentes.

Por favor confirme a sua presença para info@museudoaljube.pt.
Mais informações ligue (+351) 215 818 535.