Trabalhador metalúrgico, Santa Iria da Azóia, Loures, 1977 © Armindo Cardoso

Exposição Temporária «Os Olhos da Memória» de Armindo Cardoso

12 de Novembro de 2020 - 11h00
Museu do Aljube
Trabalhador metalúrgico, Santa Iria da Azóia, Loures, 1977 © Armindo Cardoso

Armindo Cardoso nasceu em 1943 no Porto. Ligado desde cedo ao cineclubismo e ao teatro experimental do Porto, aos 16 anos militante da frente Patriótica, desenvolve atividade clandestina e é preso por atividades “contra a segurança do estado”. Preso e torturado durante alguns meses no Porto, cumprirá o serviço militar na companhia disciplinar de Penamacor. Fugindo à guerra colonial, sai de Portugal a salto, rumo a Paris, onde desenvolve atividade cultural junto da emigração portuguesa nos bidonville e nas fábricas. Dedica-se profissionalmente à fotografia, acompanha os acontecimentos do Maio de 68 e casa com uma mulher chilena, país para onde irá em 1969 e trabalhará como fotógrafo, de forma próxima com o Governo de Unidade Popular de Salvador Allende. Colaborou com a Universidade de Concepción, na editora Quimantú, em publicações como Atenea, Educación, Paloma ou Chile Hoy. Foi ainda fotógrafo no documentário “La Batalla de Chile”, de Patricio Guzmán.

Com o golpe de 11 de setembro de 1973 de Pinochet é alvo de um mandado de captura por parte da DINA (Dirección de Inteligencia Nacional). Refugia-se durante três meses na embaixada da Venezuela e regressa a França com o estatuto de refugiado político. Antes da saída do Chile enterra num quintal duas caixas de negativos retratando aquele período pleno de liberdade e esperança da história chilena, que serão depois resgatados e enviados para França. O acervo chileno de Armindo Cardoso foi adquirido pela Biblioteca Nacional do Chile que organizou a exposição   “Un otro sentimiento del tiempo. Chile, 1970-1973“.

Regressado a Portugal, fotografa operários, agricultores, corticeiros, mineiros, pescadores, manifestações e reuniões de trabalhadores, mas também rostos de intelectuais e artistas.

As fotografias que estarão expostas no Museu do Aljube Resistência e Liberdade contam-nos a história recente de um país, o tempo entre a revolução, no ano de 1975, e o período pós-revolucionário, entre 1976 e 1980. O olhar de Armindo Cardoso percorre momentos críticos do processo revolucionário em curso, como o 1º de maio de 1975 ou o cerco à Assembleia Constituinte, mas também os anos de “refluxo”, de “contrarrevolução” ou de “normalização”, consoante as narrativas. Os ecos de uma revolução, a continuação das lutas populares e operárias, ou mesmo da própria revolução, num diferente e desfavorável contexto político, institucional, económico e militar.

A Exposição estará aberta ao público de 12 de novembro de 2020 a 31 de janeiro de 2021, na sala de exposições temporárias do Museu do Aljube. Entrada Gratuita para a exposição temporária.

Outros eventos

“A Guerra Guardada” – Visita Orientada com Aniceto Afonso
Uma visita à exposição "A Guerra Guardada – Fotografias de Soldados Portugueses em Angola, Guiné e Moçambique (1961-74)" com Aniceto Afonso.
16 de Março de 2022 - 16h00
CICLO DE CINEMA | Natal 71 & Deus Não Quis
Dia 25 de fevereiro teremos a segunda sessão do ciclo de cinema integrado na exposição "A Guerra Guardada".
25 de Fevereiro de 2022 - 16h00
Fragmentos do espetáculo Corpo Suspenso, Rita Neves
Inserido na programação paralela da exposição "A Guerra Guardada", recebemos os "Fragmentos do espetáculo Corpo Suspenso" de Rita Neves, seguido de conversa.
19 de Fevereiro de 2022 - 16h00
“A Guerra Guardada” – Visita Orientada pelas curadoras
Uma visita à exposição "A Guerra Guardada – Fotografias de Soldados Portugueses em Angola, Guiné e Moçambique (1961-74)" pelas curadoras Maria José Lobo Antunes e Inês Ponte.
9 de Fevereiro de 2022 - 16h00