Sérgio Ribeiro

13 de Novembro de 2019 - 16h00
Auditório do Museu do Aljube
Sérgio Ribeiro

Ter sido preso político não está escrito no currículo de Sérgio Ribeiro. O que vai escrevendo, diz, é o que viveu. Não quer contar-se. Quer contar o que era a prisão, o que era a tortura do sono, estar perante o inimigo, o torturador. Diz que o facto de ter, ele e outros, estado preso não faz dele um herói. A passagem para a militância política deu-se com a entrada para um partido político, que estava na clandestinidade. Operava sob o pseudónimo de “Zeferino”. Era ao seu encontro que ia Dias Coelho quando foi assassinado. Uma data que Sérgio Ribeiro não esquece.
Antes de ser preso, já tinha ido várias vezes à PIDE. Mas no dia 17 de Maio de 1963, às primeiras horas da manhã, quando lhe bateram à porta de casa percebeu que a situação era agora diferente. Os sinais que tinha tido nos últimos dias assim o indicavam. Veio para o Aljube, que era então o local de depósito depois da passagem pela António Maria Cardoso e de feito o primeiro auto. A estada nos curros foi “como riscos na parede”. Lembra-se de ter medido o espaço de todas as maneiras… com os pés, em palmos, com os polegares, com papel higiénico – quando finalmente teve acesso a ele.
Recorda os interrogatórios, a tortura do sono e a tortura de pensar o que poderia ser, o que poderia acontecer. Chegou a ter alucinações. Mas não sabe dizer, ao certo, quantos dias e noites esteve sem dormir. Diz compreender quem, sob tortura, cedeu, mas não aceita. Procura compreender quem torturou. Não encontra respostas, mas também não tem ódio. Não teve nunca pavor de morrer sob tortura. Apenas de enlouquecer e de perder a lucidez.

Conversa conduzida por Ana Aranha.

Com a presença de alunos da Escola Secundária do Bocage, Setúbal.

Inscrições obrigatórias e, mediante os lugares existentes.

Outros eventos

Teatro – Amores na Clandestinidade [Online]
Este trabalho de teatro documental analisa as relações afetivas e familiares através de entrevistas feitas às pessoas que participaram na luta antifascista em Portugal, assim como aos seus filhos que cresceram acompanhando os seus pais e, muitas vezes, na ausência destes. Espectáculo Gratuito, gravado no Museu do Aljube. Transmissão Online. Inscrições obrigatórias.
16 a 21 de Abril de 2021
Coragem Hoje, Abraços Amanhã
Venha connosco celebrar o mês de abril! Inscrições para as atividades obrigatórias, mediante os limites impostos pelas medidas da DGS.
8 a 30 de Abril de 2021
Há 50 anos: Julgamento de Joaquim Pinto de Andrade, nacionalista angolano – Conversa Online
No ano em que se assinala os 50 anos do julgamento de Joaquim Pinto de Andrade, o Museu do Aljube Resistência e Liberdade junta-se a Diana Andringa, Ferreira Fernandes, Mário Brochado Coelho, Adolfo Maria e Ondjaki, para uma conversa que será transmitida online, dia 30 de março às 15h.
30 de Março de 2021 - 15h00
Visita Orientada Mensal
SESSÃO ADIADA
30 de Janeiro de 2021 - 10h00