José Mário Branco.

Vidas na Resistência – José Mário Branco – ESGOTADO

15 de Maio de 2019 - 16h00
Auditório do Museu do Aljube
José Mário Branco

“Foi uma prisão estranha. Tínhamos uma visão heróica da prisão, bem verdadeira em muitos casos. Os tipos do partido davam-nos um folheto que dizia “se fores preso camarada” a explicar como é que se resistia à tortura. Era estudante em Coimbra mas sou preso no Porto a 28 de abril – acho que era o dia de anos do Salazar. Normalmente, prendiam malta marcada antes do 1.º de Maio para evitar grandes manifestações. Levaram-me para Coimbra, pernoitei na PIDE de Coimbra e no dia seguinte levaram-me para Lisboa para a sala do Aljube. Vieram mais dois que estavam no Norte. Entro na sala e vejo as 21 pessoas que eram a estrutura do PC em Coimbra. Olhámos uns para os outros e pensámos: eles sabem tudo. Percebemos que tínhamos sido denunciados. E tínhamos, pelo funcionário clandestino do PC, responsável por aquela região. Depois soubemos que tinha dado 300 nomes de todo o país. Foi uma prisão em que a PIDE sabia mais sobre mim do que eu próprio. Sabiam tudo o que eu sabia e o que se dizia de mim em relatórios e informações.”

José Mário Branco, Jornal i, 02/12/2018

 

Nesta conversa conduzida por Ana Aranha, com a participação de alunos da licenciatura em Comunicação e Jornalismo – ULHT, José Mário Branco vai falar-nos de uma vida de resistência e luta, que acabou por o levar ao exílio em França em 1963, tendo regressado a Portugal apenas depois do 25 de Abril.

Outros eventos

Inauguração Exposição Temporária – Mulheres e Resistência – Novas Cartas Portuguesas e outras lutas
A partir das 12h poderá visitar a nova exposição temporária patente no piso 0 do museu, antigo parlatório da cadeia do Aljube.
6 de Maio de 2021 - 12h00
Teatro – Rascunhos: Memórias de uma Falsificadora
Joaquim Horta adapta ao teatro o livro de Margarida Tengarrinha Memórias de Uma Falsificadora – A Luta na Clandestinidade pela Liberdad em Portugal, que conta como a autora usou a sua habilidade de artista plástica e estudante de Belas Artes ao serviço da falsificação de documentos, garantindo o trabalho dos resistentes à ditadura de Salazar. Espectáculo esgotado
26 a 30 de Abril de 2021
Teatro – Amores na Clandestinidade [Online]
Este trabalho de teatro documental analisa as relações afetivas e familiares através de entrevistas feitas às pessoas que participaram na luta antifascista em Portugal, assim como aos seus filhos que cresceram acompanhando os seus pais e, muitas vezes, na ausência destes. Espectáculo Gratuito, gravado no Museu do Aljube. Transmissão Online. Inscrições obrigatórias.
16 a 21 de Abril de 2021
Coragem Hoje, Abraços Amanhã
Venha connosco celebrar o mês de abril! Inscrições para as atividades obrigatórias, mediante os limites impostos pelas medidas da DGS.
8 a 30 de Abril de 2021