Inauguração “A Sagrada Poesia da Esperança”

6 de Julho de 2022 - 16h00
Museu do Aljube

No próximo dia 6 de julho, a partir das 16h, inauguramos a exposição temporária que ocupará o piso 4 do Museu, “A Sagrada Poesia da Esperança” com obras de Dília Fraguito Samarth e curadoria de Manuel L. Dias dos Santos.

“A poesia, pela sua riqueza em imagens vivas, é uma excelente matéria-prima para os artistas no geral. Mas para uma das artes visuais, apaixonada pela mensagem do seu criador, ainda mais. O poeta Agostinho Neto sempre teve presença no corpo artístico de Dília Fraguito Samarth, pela intemporalidade nas mensagens que carrega. Ao longo dos últimos 25 anos, Samarth decidiu fazer um verdadeiro tour de force, desfiando o físico e a razão, e produzir uma profusão de imagens estético-cromáticas de dimensão universal para a arte contemporânea, sem qualquer pretensão de grandeza, vaidade ou ego. O objetivo é tão somente fixar na contemporaneidade mensagens que continuam válidas para a humanidade, contribuindo com uma forma pedagógica de as transmitir, a arte, cujo alcance ultrapassa credos, identidades, gerações, nacionalidades, géneros ou raças.“
Manuel L. Dias dos Santos

Visita a exposição!
TER – DOM • 10H – 18H • ENTRADA LIVRE

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
Itinerário “Adeus Pátria e Família”
Um percurso por Lisboa a lugares emblemáticos de resistência e ocupação das pessoas LGBTQIAP+, durante a ditadura e até aos dias de hoje.
28 de Junho de 2024 - 10h30
Orgulho e Liberdade
Fundado em 2017, o Alarido - Coro Feminista e LGBT canta arranjos de canções pop, para mostrar que o ativismo feminista e LGBT se pode fazer também através da música - e sempre a muitas vozes.
27 de Junho de 2024 - 19h00