«Projectar a ordem – Cinema do Povo e propaganda salazarista», de Maria do Carmo Piçarra

10 de Dezembro de 2020 - 18h00
Auditório do Museu do Aljube

«Projectar a ordem — Cinema do Povo e propaganda salazarista», de Maria do Carmo Piçarra, é uma investigação sobre o Cinema do Povo (1935-1954) do SPN/SNI, cinema ambulante que percorreu o país para combater o comunismo e promover o corporativismo e o Estado Novo. Lançado, em 1935, em Lisboa, onde encheu de público as praças da cidade, iniciou a itinerância após o começo da Guerra Civil em Espanha.

Como na Alemanha nazi, camiões deslocavam-se às aldeias recônditas, sem electricidade, onde raramente ou nunca se tinha visto uma projecção de cinema. Ao ar livre, mostravam a milhares de camponeses e operários, propaganda filmada complementada por doutrinação.

A revolução de Maio foi a longa-metragem de redenção privilegiada. Explicada por Legionários, dirigentes da União Nacional, padres ou responsáveis pelas Casas do Povo, projectou, no país rural e analfabeto, a imagem do Estado Novo concebida por António Ferro.

A apresentação do livro será feita pela realizadora e professora universitária Susana de Sousa Dias.

As inscrições são obrigatórias e limitadas aos lugares existentes no auditório.

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
Itinerário “Adeus Pátria e Família”
Um percurso por Lisboa a lugares emblemáticos de resistência e ocupação das pessoas LGBTQIAP+, durante a ditadura e até aos dias de hoje.
28 de Junho de 2024 - 10h30
Orgulho e Liberdade
Fundado em 2017, o Alarido - Coro Feminista e LGBT canta arranjos de canções pop, para mostrar que o ativismo feminista e LGBT se pode fazer também através da música - e sempre a muitas vozes.
27 de Junho de 2024 - 19h00