O que pode fazer um escritor?

17 de Junho a 05 de Julho de 2022
Museu do Aljube

Uma democracia pode afirmar-se sem massa crítica de cidadãos? Durante uma guerra, qual é o papel da sociedade civil? O que pode fazer um escritor?
Ciclo de conversas promovido pelo Espaço Atlântida – Centro de Estudos de História da Leitura e Museu do Aljube – Resistência e Liberdade

Ciclo de Conversas | Várias sessões

• 17 JUN, 18h
Com Oksana Mitrofanova

• 5 JUL, 18h
Com Mikhail Shishkin

• SET | Com Joana Meirim

Entrada Livre, sujeita à limitação da sala.
*Conversas em francês, com tradução simultânea.

Oksana Mitrofanova

Em regimes totalitários, um escritor pode sentir a opressão da ideologia estabelecida e ser preso apenas por escrever ficção (o escritor ucraniano Oles Berdnyk, para dar um exemplo, foi preso nos Urais na era soviética).
Escritores e investigadores nas ciências sociais e humanas são forçados pelos regimes a produzir e escrever ao estilo da ideologia dominante.
Cabe-lhes a escolha: escrever e ser perseguidos ou seguir o regime e disfarçar a realidade? Ou emigrar e continuar a escrita e a investigação no exílio?
Mas uma guerra em grande escala vai dificultar a escolha e levanta a questão: o que um ‘escritor-pesquisador’ fazer?

Oksana Mitrofanova, nasceu na ucrânia e estudou na Ucrânia e França.
Doutorada em Ciência Política é, desde 2014, investigadora no Institute of World History, National Academy of Sciences, Ucrânia, com vários períodos como Professora Associada convidada da University Paris II Pantheon-Assas, Paris.
Está, desde março de 2022, refugiada em Paris, com visto de proteção temporária da UE
.

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
Itinerário “Adeus Pátria e Família”
Um percurso por Lisboa a lugares emblemáticos de resistência e ocupação das pessoas LGBTQIAP+, durante a ditadura e até aos dias de hoje.
28 de Junho de 2024 - 10h30
Orgulho e Liberdade
Fundado em 2017, o Alarido - Coro Feminista e LGBT canta arranjos de canções pop, para mostrar que o ativismo feminista e LGBT se pode fazer também através da música - e sempre a muitas vozes.
27 de Junho de 2024 - 19h00