Revolução e a música

3 de Novembro de 2022 - 18h00
AUDITÓRIO DO MUSEU DO ALJUBE

Com Francisco Fanhais e Manuel Pires da Rocha

Biografias

Francisco Fanhais (Praia do Ribatejo, 1941), depois da passagem pelo Seminário conclui, em 1964 nos Olivais, o Curso de Teologia. Ordenado padre em 1965, será professor no Barreiro. Através da canção denuncia a ditadura e vai estabelecer uma intensa relação pessoal e artística com José Afonso.
Depois da participação no programa de televisão Zip-Zip e de gravar Cantilenas e Canções da Cidade Nova, já sob a mira da PIDE, será proibido, por razões políticas, de lecionar e de cantar.
Parte para o exílio em França, ligando-se à LUAR e dando continuidade à sua atividade como cantor e opositor à ditadura do Estado Novo. Após o 25 de Abril de 1974 regressa a Portugal e embrenha-se na Revolução, participando em inúmeras sessões de canto livre e nas Campanhas de Dinamização Cultural do MFA, nomeadamente na Operação “Maio-Nordeste”.
Cantará em sessões de apoio a lutas populares, a cooperativas agrícolas, comissões de trabalhadores e de moradores e em espetáculos de solidariedade com Timor-Leste, a Frente Polisário, a Nicarágua ou S. Salvador. É atualmente Presidente da direção da Associação José Afonso e continua a cantar.

Manuel Pires da Rocha (Coimbra,1962) É diplomado em Violino pelo Instituto Gnessin (Moscovo, URSS, 1988). Integrou comissões para a reforma do Ensino Artístico Especializado. Integrou a direção do Ateneu de Coimbra.
Foi diretor do Conservatório de Música de Coimbra e de Loulé. É músico da Brigada Victor Jara. Participou, enquanto músico, num vasto número de espetáculos e registos fonográficos.
Foi autor do documentário seriado «Povo Que Canta – Passo Segundo», para a RTP. É membro da Assembleia Municipal de Coimbra. É membro da direção do Sindicato dos Professores da Região Centro.
Membro da Comissão Concelhia de Coimbra do PCP.

Sujeita à lotação da sala.
Inscrições para: inscricoes@museudoaljube.pt

Outros eventos

Apresentação livro “Não se deixem enganar!”
Uma homenagem à geração de pais e mães nascidos nos anos 30 do século XX que, sem procurarem um lugar na história, protagonismo político ou de qualquer outra espécie, nunca se resignaram, arriscaram a vida, passaram pela prisão, exilaram-se e foram perseguidos para que nós possamos viver hoje num país melhor. 
25 de Fevereiro de 2023 - 15h00
Visita o Aljube!
A Visita Orientada do mês de fevereiro à exposição longa duração do Museu do Aljube Resistência e Liberdade.
25 de Fevereiro de 2023 - 10h30
Visita o Aljube!
A Visita Orientada do mês de Janeiro à exposição longa duração do Museu do Aljube Resistência e Liberdade.
28 de Janeiro de 2023 - 10h30
Estudantes contra a ditadura – as prisões de 1964 e 1965
No próximo dia 21 de Janeiro, pelas 15h, o Museu do Aljube evocará a resistência destes estudantes, realizando uma conversa com a participação de antigos estudantes e os historiadores Luís Farinha e Luísa Tiago de Oliveira.
21 de Janeiro de 2023 - 15h00