“Sob a custódia do Amor”, de Castro Guedes

26 a 27 de Outubro de 2018
Auditório do Museu do Aljube


Imagem: Fotografias de José Frade.

OUTUBRO 2018
26 − sexta, 16h
26 − sexta, 21h
27 − sábado, 21h

Auditório do Museu do Aljube

Versão Teatral do Texto e Encenação de CASTRO GUEDES
A partir da novela E SE FOR RAPARIGA CHAMA-SE CUSTÓDIA de LUÍS DE STTAU MONTEIRO
Interpretação de FÁBIO VAZ e PAULO LAGES

“Neste texto o que mais surpreende é o lado doce que rompe e transborda as grades de uma prisão, mesmo quando elas nos apertam os sentidos e o coração. A ideia de um diálogo (em novela) com que o sarcástico Sttau Monteiro nos brinda, nesta pequena jóia literária de ternuras, poder passar a um breve momento teatral era-me antiquíssima. Tive a buena dicha de ser acolhida entusiasticamente num Museu mais do que simbólico para isso e um director dinâmico, culto e cooperante que, sem eu saber, já tinha a ideia de ir homenagear Sttau Monteiro. O mais foi relativamente fácil: bastou tornar pensamentos em falas e cruzar momentos diferenciados, atrevendo-me a fazer um ou outro pequeno corte (uma coisa é literatura, outra o diálogo teatral) e introduzir a localização explícita de tempos e espaços: uma prisão política na ditadura, um mundo mais rural e outro mais cosmopolita, duas gerações e a resiliência constituída em parte da própria.”
Resistência. E se for luta é-a sob a custódia do Amor…”
Castro Guedes, Versão Teatral do Texto e Encenação. Julho de 2017

Sob a custódia do Amor

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
Itinerário “Adeus Pátria e Família”
Um percurso por Lisboa a lugares emblemáticos de resistência e ocupação das pessoas LGBTQIAP+, durante a ditadura e até aos dias de hoje.
28 de Junho de 2024 - 10h30
Sombras Andantes
Sombras Andantes é um espetáculo de André Murraças sobre a relação do Estado Novo com os homossexuais.
21 a 23 de Junho de 2024