© Estelle Valente/Teatro São Luiz

Teatro – Rascunhos: Memórias de uma Falsificadora

26 a 30 de Abril de 2021
Museu do Aljube Resistência e Liberdade

Joaquim Horta adapta ao teatro o livro de Margarida Tengarrinha Memórias de Uma Falsificadora – A Luta na Clandestinidade pela Liberdad em Portugal, que conta como a autora usou a sua habilidade de artista plástica e estudante de Belas Artes ao serviço da falsificação de documentos, garantindo o trabalho dos resistentes à ditadura de Salazar.
A vontade de adaptar Memórias de Uma Falsificadora parte de uma frase escrita por Margarida Tengarrinha no seu livro: “Quando leio relatos de vários camaradas, que já foram publicados, constato que falam de factos políticos importantes, momentos altos e heróicos da luta, mas nunca abordam estas questões do quotidiano que nós, mulheres, vivemos pacientemente. Será que foi menos heróico aquele nosso dia-a-dia desgastante e obscuro?”
É pensando num retrato do quotidiano no período entre 1948 a 1974 que o ator e encenador parte para este novo espetáculo, usando as palavras e ideias de Margarida Tengarrinha.

Ficha Artística
Encenação: Joaquim Horta
Interpretação: Catarina Requeijo
Fotografias: Estelle Valente/Teatro São Luiz

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
Itinerário “Adeus Pátria e Família”
Um percurso por Lisboa a lugares emblemáticos de resistência e ocupação das pessoas LGBTQIAP+, durante a ditadura e até aos dias de hoje.
28 de Junho de 2024 - 10h30
Orgulho e Liberdade
Fundado em 2017, o Alarido - Coro Feminista e LGBT canta arranjos de canções pop, para mostrar que o ativismo feminista e LGBT se pode fazer também através da música - e sempre a muitas vozes.
27 de Junho de 2024 - 19h00