Exposição Temporária

José Dias Coelho – Artista Militante Revolucionário

25 de Abril a 30 de Setembro de 2018

Uma parceria com o Museu do Neorealismo – Vila Franca de Xira, de onde vem grande parte da sua obra artística. A vida, a militância e a memória da sua dedicação exclusiva à causa da Liberdade.

José Dias Coelho, artista plástico e funcionário clandestino do PCP, tinha 38 anos quando, em 1961, uma brigada da PIDE o assassinou a tiro na antiga rua da Creche, que hoje leva o seu nome, em Alcântara.

Uma vida curta, desde muito cedo marcada por dois traços que iriam definir a sua personalidade: um raro talento artístico e a revolta contra as injustiças sociais e a opressão. Com 13 anos, ainda estudante liceal, já era notado pela invulgar qualidade dos seus desenhos e a expressividade das caricaturas de colegas e professores.

Vivia então em Castelo Branco, onde, pela proximidade da fronteira, se sentia fortemente a Guerra Civil de Espanha. Talvez por isso, a pintura “Guernica” de Pablo Picasso, assim como a pomba por ele desenhada para o Movimento Mundial da Paz, viriam a ser referências marcantes para o percurso artístico e para as escolhas políticas de José Dias Coelho.