NAQUELE DIA, NÃO PASSOU NA TELEVISÃO

19 a 21 de Outubro de 2022
AUDITÓRIO DO MUSEU DO ALJUBE

Este espetáculo evoca a memória e a história do estudante António José Ribeiro dos Santos, assassinado por um agente da PIDE-DGS numa reunião no ISCEF (Instituto de Ciências Económicas e Financeiras, hoje ISEG), em Lisboa. Era um “meeting” (como os estudantes chamavam a estas reuniões) – um “meeting contra a repressão” – na qual se discutia a intensificação da repressão aos estudantes e às suas associações por parte do regime. No decurso da entrada de 2 agentes da PIDE na reunião, Ribeiro Santos foi alvejado e acabaria por morrer à chegada ao Hospital Santa Maria.


Em Naquele dia, não passou na televisão o Teatro do Vestido parte de testemunhos e documentos para relatar a forma como a morte deste jovem foi divulgada, quer pelos seus amigos, apoiantes e companheiros de luta, quer pelo regime, que tudo fez para disfarçar o seu assassinato como um “acidente”, fruto de desacatos com os estudantes, em “tiros disparados para o ar.” Não por acaso, 2 anos depois, à porta da Rua António Maria Cardoso, em Lisboa, no dia 25 de Abril de 1974 os mesmos “tiros disparados para o ar” serviriam como alibi para os agentes da PIDE que dispararam sobre a multidão matando 4 pessoas. Era um modus operandi.


Mas por ora, no dia 12 de Outubro de 1972, os estudantes que participavam daquele “meeting” estavam longe de imaginar essa revolução futura, como também não imaginavam a troca de tiros que resultaria nesta trágica morte.


Num panfleto escrito logo após este assassinato e distribuído nos dias 13 e 14 de Outubro de 1972, lê-se “Abaixo o Terror Fascista. O Estudante Ribeiro Santos foi Assassinado.” Em torno da morte de Ribeiro Santos, a resistência estudantil cerrou fileiras, e este jovem de 26 anos tornou-se num símbolo da luta contra o aspecto mais repressivo de um regime que durava há demasiado tempo.
Escrevia Ribeiro Santos numa carta a um amigo, em Julho de 1972, “Porém, todas as notícias que eu gostaria de te fornecer condensam-se numa só, que se pode sintetizar em poucas palavras: cresce rapidamente o descontentamento popular, e, com ele, a repressão”. E alguém sublinhou a parte: “cresce rapidamente o descontentamento popular.” Como um mantra para uma revolução sonhada.


19, 20 e 21 OUT – QUA, QUI e SEX, 19H
Entrada livre. Reservas para: inscricoes@museudoaljube.pt

• • • • • • • • • • • • • • 

Investigação, Texto, Direcção Joana Craveiro Co-criação e Interpretação Estêvão Antunes, Francisco Madureira, Inês Rosado, Tânia Guerreiro, Tozé Cunha Música e Espaço Sonoro Francisco Madureira Cenografia Carla Martínez Figurinos Tânia Guerreiro Desenho de luz João Cachulo Conteúdos e Operação Vídeo José Torrado Direcção de Produção Alaíde Costa
Co-produção Museu do Aljube Resistência e Liberdade, Teatro das Figuras e Teatro do Vestido

O Teatro do Vestido é financiado por República Portuguesa – Cultura | Direcção-Geral das Artes

Outros eventos

O que falta fazer?
"O que falta fazer?" é o tema da última conversa do ciclo em torno da exposição "Adeus Pátria e Família" com a participação de Ana Aresta, Manuela Ferreira e Paulo Corte Real.
12 de Janeiro de 2023 - 18h00
Artes como resistência Queer
"Artes como resistência Queer" é o tema da terceira conversa do ciclo em torno da exposição "Adeus Pátria e Família" com a participação de Alice Azevedo, André Teodósio e Raquel Freire.
16 de Novembro de 2022 - 18h00
Revolução e o que ficou. As conquistas revolucionárias.
A propósito das Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, iremos promover um ciclo de conversas "E se trocássemos umas ideias sobre a Revolução?". Nesta sessão contamos com Maria Inácia Rezola para uma conversa sobre "Revolução e o que ficou. As conquistas revolucionárias.".
10 de Novembro de 2022 - 18h00
VISITA ORIENTADA POR RICARDO CARVALHO
Inserida na programação paralela da exposição "Adeus Pátria e Família" Ricardo Carvalho, responsável pelo desenho da exposição, orienta uma visita à exposição.
8 de Novembro de 2022 - 18h00