Paulo José Dias

“Elemento de absoluta confiança dos marxistas espanhóis”, lê-se na ficha prisional de Paulo José Dias.

Nascido a 24 de janeiro de 1904, em Lisboa, era fogueiro marítimo.

Foi preso a 7 de julho de 1939, “para averiguações”, recolhendo ao Aljube. Quinze dias depois, era transferido para o Reduto Norte do Depósito de Presos de Caxias e, em abril de 1940, para Peniche, já depois de um despacho de Agostinho Lourenço determinar que “se mantivesse em prisão preventiva, devendo ser transferido para Cabo Verde até se esclarecer a situação internacional”. Em junho, depois de passagens pela 1.ª Esquadra e de novo por Caxias, embarca para o Tarrafal, onde morre a 13 de janeiro de 1943. Tinha 39 anos.

Outros testemunhos