A rádio antes da revolução: uma fresta para a Liberdade

7 de Maio de 2024 - 18h00
AUDITÓRIO DO MUSEU DO ALJUBE

Que outra rádio era possível contra os vampiros do fascismo?

Algumas frequências: uma reportagem única na fronteira do “teatro do absurdo”, no cemitério do Vimieiro, em Santa Comba Dão; uma sessão de escuta num cinema de Lisboa, com dois gravadores Uher em palco representando os exilados Sérgio Godinho e José Mário Branco; e a voz que resistia em Argel fazendo da rádio um “poemarma”.

1972. Adelino Gomes e João Paulo Guerra preparam um regresso a Lisboa, de gravador vazio, depois de uma reportagem fracassada perseguindo um falso rumor, não muito longe de Viseu. Até que um deles desafia o outro para uma visita surpresa à campa de Salazar, o ditador que tinha morrido 2 anos antes; o vampiro-mor que ainda lhes sugava o futuro. De microfone escondido, o que foram eles encontrar?

No ano anterior, não muito longe de Paris, no mítico Château d’Hérouville, eram gravados alguns dos discos que mudariam o nosso tempo e as nossas vidas. Quando, por esses dias, no seu Citroën dois cavalos, José Mário Branco foi buscar Adelino Gomes a um dos aeroportos parisinos, o músico estava longe de imaginar a “mis-en-scène” radiofónica que o futuro repórter de Abril e José Manuel Nunes haveriam de montar mais tarde, em Lisboa, para lançarem de uma assentada e em directo, o LP “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades” e o EP de estreia de Sérgio Godinho “Romance de um dia na estrada”. Aquele acontecimento radiofónico de 26 de Novembro de 1971 no cinema Roma [1] , actual Forum Lisboa, acabou por ser, à margem e de certa maneira, uma sessão de escuta “avant la lettre”.

E a Liberdade estava a passar por aqui, quando aqui era a voz de Manuel Alegre chegando de Argel, em ondas curtas ou em ondas médias:

Que o poema seja microfone e fale
uma noite destas de repente às três e tal
para que a lua estoire e o sono estale
e a gente acorde finalmente em Portugal.”

Com Manuel Alegre, Adelino Gomes, João Paulo Guerra, Francisco Fanhais e André Cunha.

Esta sessão de escuta abre a extensão portuguesa do ciclo “25 de Abril, sempre no ar” – uma programação radiofónica lançada em Brest, no Longueur d’ondes, um dos maiores festivais de rádio do mundo, e que agora sintoniza Abril em Maio no Museu do Aljube – Liberdade e Resistência.

PRÓXIMAS SESSÕES:
14 MAI – TER, 18H
25 de Abril de 1974: um memorável Atelier de Criação Radiofónica

21 MAI – TER, 18H
2014. Ocupação da TSF: “dar novas palavras à rádio”

[1]     O fragmento sonoro a ser escutado foi escolhido a partir de uma bobine digitalizada pelo Centro de Estudos e Documentação José Mário Branco — Música e Liberdade. A bobine contém a primeira parte da sessão/emissão organizada pela Guilda da Música e pelo programa “Página 1”, coordenado por José Manuel Nunes, na Rádio Renascença.

Outros eventos

«Duas peças em Estado Novo»
De Armando Nascimento Rosa e Susannah Finzi Encenação e curadoria de Clara Ploux e Telmo FerreiraDuração: 90 min 18 OUT – SEX, 19H 19 OUT – SÁB, 16H 20 OUT – DOM, 16H
18 a 20 de Outubro de 2024
Ler e ouvir a Revolução: literatura e música no 25 de Abril
As sessões de leitura pública e interpretação musical cruzam literatura e música do período revolucionário, partindo da produção artística portuguesa de 1974 e seguintes anos.
17 de Setembro de 2024 - 18h00
II Congresso de História Pública em Portugal
O objetivo do II Congresso de História Pública em Portugal: Usos do Passado nos 50 Anos da Revolução dos Cravos é analisar a evolução dos usos do passado desde 1974, destacando o que se oculta e desoculta na esfera pública.
6 a 7 de Junho de 2024
Universidade sem Exames
O grupo Universidade sem Exames resolveu tomar a iniciativa de criar um programa de ensino não académico, inicialmente com filosofia e economia (em Outubro haverá História), no sentido de dar alguns instrumentos de conhecimento e pensamento crítico, necessários a todos nós, neste momento de panorama político tão complexo.
31 de Maio de 2024 - 15h00